Fluxo

As ruas – de pedaço a pedaço

As ruas – De pedaço a pedaço

Das ruas, histórias brotam… E, quem nelas se dispersa,
Em meio a teias narrativas que se engalfinham por entre sonhos e perdições,
Tem a linha da existência urdida em enlutáveis fugas de indizíveis solidões.
Já as memórias, recuperadas a cada brisa, atrelam-se aos silenciosos versos de quem se singulariza.

Quisera eu compor-me como componho o carme de minhas desilusões
Mas dos traços vilanescos dessas ruas sectárias
Resta-me espalhar-me numa harmonia com o mundo, meu mundo, sem conclusões.
Apenas constato a violência desta finitude insidiosa e nela forjo poesias quadradas.

As sombras dessas ruas esquálidas
Apenas nos condenam às sobras
De memórias intumescidas.

Amigo, melhor é viver sem certeza e orgulho
Do que, de todas as verdades dessas tristes ruas do espírito,
Não nos sobrar nem mesmo um reles entulho.

André Luiz Ramalho da Silveira

Anúncios