O encontro de tartarugas esclerosadas

Encontre amores, encontre palavras para quem você quer endereçar amores,
Encontre paixões, não negue a conduta do prometer,
Encontre o esquecer que tanto lhe apraz, encontre os risíveis amores,
Encontre tudo o que puder nisso que apenas torna indiferente esse morrer.

Encontre mais valores morais para seguir, principalmente para ser livre e não ser moral,
E nem mortal, e viver na era de aquário num Éden artificial com incensos de tarja preta.
E assim novamente dizer que ama, porque te sentes envolto numa ausência carnal.
E achas que o ressentimento é apenas um detalhe dos que não mais tem qualquer meta.

E assim te preenchas com aquele sol de vidro em uma sexta-feira à noite,
Ruminando dinheiro por outrem mascado, achando-te autêntico ao não dar o bote,
E ficando feliz por ganhar novamente um novo motivo para seguir um ígneo amor.

Tão ígneo que se apaga com a menor constatação da própria reles insignificância,
Mas tão profundo que já se esquece disso, criando mais um motivo para seguir com ardor.
E assim te tornas livre, sem moral, sem conceitos, apenas seguindo sem memória o que foi dito e ordenado com magnificência.

Anúncios

2 comentários

  1. E no fim das contas o amor acaba por ser descartado, esquecido e subjugado…
    Seria ele mais uma mera banalidade da vida do homem? Mais um artifício para que possamos fugir da nossa eterna solidão?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s