A volúpia dos vultos

A volúpia dos vultos.

Criando servos no voluptuoso crepúsculo,
Tangenciando o último brilho celeste, no limiar da insanidade,
Ao suor dos corpos numa ação sem sujeitos, como envoltos num novelo.
Nos hirtos pêlos ávidos pela insalubridade,

Ressoa a leve brisa de um arfar extasiado,
Deixando lúgubre todo o resto não pertinente ao ocaso,
Onde o a priori do conceito puro derrete-se pelo ardor das curvas de um todo rosado,
No a posteriori do vigor escarlate, deixando um nada enrestado, num mútuo escuso.

Integrando-se num deleite quase cósmico,
Nas sombras quase divinas,
O tempo não ousa abandonar sua própria dinâmica nem por algum motivo alquímico.

E o movimento só cai quando cessa-se o noturno celeste, que tanto ilumina esses corpos,
Com a mais pura volúpia, nesses opostos gêneros que não são mais do que vultos,
Que não são feitos para a lei, que não servem para servir, que são apenas o pressentir-se dos vindouros mortos.

Anúncios

1 comentário

  1. Só registrando publicamente o que precisa ser dito:

    O melhor disco do The Cure, chamado “Pornografia” em seu título, inicia com a frase “Não importa se todos nós morrermos”. É o primeiro verso de uma de suas melhores canções, como sabemos (tão boa que eles não conseguiram tocar por muitos e muitos anos).

    É por acaso que teus versos sobre a “volúpia” concluam-se com prenúncio de morte?

    Acho que minha pergunta é pertinente, embora eu tenha visto algumas cartas tuas – dentre elas, o fato de saber que tu não é um assíduo ouvinte do Robert Smith.

    Espero que o “culto de si” assuma a forma do perdão, porque estou ansioso pelo que está por vir, irmão.

    Abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s