Na sentença do muro – a culpa: III – Obsessão em retorno

E é um não… sempre um não a determinar, às vezes por mim determinado.
Não suportar mais, mesmo se sabendo sempre que se suporta, é quase hábito.
Nunca quis nexo algum, este vil nexo ávido por mornas possibilidades, por um comum determinado.
E quiçá quis voar, como agora. Só voar, mas vôo só, só por hábito.

Só, é o que me retém; tendo a mim sou condenado, a mim; confuso por me anular.
Mas me anulo de nexo prático, de tudo o que é pra todos. Num brado irado, decepciono-me por saber que tudo continua o mesmo.
E pra sentir onde estou ainda me jogo no muro. No muro anelar.
Mas alguma sensatez ainda me é pertinente, mesmo num espasmo a esmo.

E se tudo necessário fosse, poderia eu me culpar?…mas, por ser necessário é que me torno contingente.
Indigente sapiente de sua condição, sinto somente essa força que enfraquece.
Solidão é tautologia que não se separa por vírgula, pois tudo volta ao “sujeito”.

Talvez minha única compaixão seja uma ínfima culpa, que me permite um sentimento com referência.
E nessa sentença, que se confere como árduo ditame, por mim é feita.
Feita como ilusão, numa árida existência não plastificada, mortificada em inocência.
André Luiz Ramalho da Silveira

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s